segunda-feira, 27 de julho de 2009

Solteira e dai ?

Fui fazer compras.
No final,como ia pagar em cheque, precisei preencher um daqueles cadastros que só faltam pedir seu exame de sangue mais recente.
A vendedora primeiro se espanta com a minha idade: "nossa, não parece que vc tem 30 e poucos!" Depois se impressiona ao ver que a mocinha ao meu lado não é minha irmã e sim minha filha. Logo após, faz uma careta e se mostra preocupada com o estado civil declarado: SOLTEIRA.
Não marquei casada, nem divorciada. Meu estado civil para a justiça, para todos os meus documentos, para todos os formulários de lojas, faculdade, cursos sempre foi SOLTEIRA. Não, não minha querida ! Sou mãe, mas nunca casei. SOU MÃE e SOLTEIRA.
E daí que não casei ? E dai que tenho 30 e poucos e estou solteira ? Por acaso pago mais imposto por ser solteira? Ou eu solteirísse virou sinônimo de alguma doença grave ? Não, né ... Então, por obséquio não me olhe como se eu fosse uma coitada !!!

Estou muito bem obrigada. Por enquanto. Mas já passei por todas as fases para me tornar uma solteira feliz.

Primeiro vc acha que o mundo vai acabar amanhã e sai conhecendo um monte de moços novos. O importante é a quantidade, não a qualidade. É a fase da "descoberta de novas criaturas".

Depois vc começa a ficar com preguiça de sair e conhecer alguém novo, esperar ele ligar no dia seguinte e blábláblá. Então começa a sair com as criaturas que mais gostou na fase acima. É a fase da "manutenção da prateleira"

Depois de um tempo nessa fase da prateleira, todos os seus amigos, familiares e pessoas que realmente se preocupam com a sua sanidade mental, começam a te avisar que conhecem alguém que "é a sua cara". Sim, sua avó tem certeza que o neto da vizinha que é hare krishna e almoça chá de ervas tem tudo a ver com vc. Ejá que vc não tem nada a perder numa segunda chuvosa, entra nessa fase desesperada dos blinds dates

Nesse momento, se não conheceu ninguém interessante ou ninguém vingou, vc tem duas alternativas: voltar para a primeira fase e começar de novo ou passar para a próxima - "deixar que a borboleta pouse no seu ombro". Diz a lenda que a felicidade é como uma borboleta: quanto mais você a persegue, mais ela se esquiva. Mas se você voltar sua atenção para outras coisas ela virá pousar calmamente nos seus ombros. Parece ditado barato, mas nas minhas andanças por ai, eu sempre conheci alguém qdo menos esperava. Qdo vc não está procurando, ela aparece.
E eu estou assim. Deixando os ombros leves e tranquilos para a borboleta aparecer.

E nunca mais pago nada em cheque
Viva o cartão de crédito.

5 comentários:

J.R disse...

hahahaha!!!

Também estou nessa, trinta e pouquíssimos...rs e SOLTEIRO.

Mas tá bom assim, concordo quando diz que quando menos esperamos as coisas acontecem...comigo tbm é assim.

Concordo tbm com os cadastros chatos que nada adiantam, o números de cheques irregulares aumentam a cada dia.

Concordo tbm com o "VIVA O CARTÃO".

Aff..Chega de concordâncias...tá ficando chato isso..rss.

bjs!!

Melanie Brown disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Adorei o post!!
Atualmente sou uma solteira assumidissima, feliz e fazendo samanalmente a manunteçao da prateleira!!
rsrs
bJos linda!!

Núbia Tavares disse...

E por falar em cartao, eu to te devendo R$ 50 reais

Alexia disse...

Perfeito !
Me encontro numa fase de transição entre a de descoberta de novas criaturas e manutenção da prateleira, mas sei q uma hora cansa.
Tenho quase 30, fui casada 2 vezes,separei a pouco tpo do ultimo, mas não suporto ter que declarar o estado civil: DIVORCIADA, prefiro usar SOLTEIRA. Pra mim só existem 2 estados ciivis, casada ou solteira, casou ta casada, separou volta a ser solteira, não acho que tenho q ficar carregando meu histórico, ex é ex, se ficar falando sou divorciada da impressão q ainda faz parte da minha vida. Aliás estou adorando ser solteira novamente, e lendo seu texto analiso e não me imagino entrando na fase "deixar que a borboleta pouse" será? tenho até medo. Mas enquanto isso vamos que vamos repondo as prateleiras (gostei dessa)
bjss

Anônimo disse...

Hoje de manhã pensei naquela história de querer segurar areia... quanda fazemos uma conchinha a areia fica lá, mas se fecharmos a mão para tentar segurá-la ela escorre. Talvez seja uma boa analogia a felicidade, ao amor... Beijos, Camis. Nanda Holt